Antiquado

passarrosto

Meu amor é da coleção passada.
Mangas puídas, barra pesada,
Camisa meio apertada, calças largas demais.
Para que serve, amor, um afeto que nunca se encerra, se a delícia está em (re)começar?

Meu amor é da coleção passada,
Chapéu, boinas, bengala incrustada,
listas e abotoaduras douradas,
Sinceridade em poliamar

Como as voltas do mundo, a moda é circular
E meu amor plural voltará ao uso,
Babados em cascata do romântico amor obtuso sairão de cena
Na vitrine, orgasmos múltiplos, diversidade, e mais das ruas se ouvirá:
“Ah, como é lindo o amor livre. Como é bom amar!”